terça-feira, 1 de março de 2016

AGUDA, REFÚGIO DE VERÃO

Casa de infância....
virada para o azul do mar
 com janelas ao pôr do sol...

...Verdadeiro convento de silêncios
coberto de trepadeiras sonhadoras,
paredes forradas de palavras esquecidas,
um chão gasto, de passos lentos
de tanto sonhar...

10 comentários:

  1. Boa noite Mira,
    Que magnifico poema!
    Sabe o quanto eu amo poesia, mas não sei expressar-me dessa forma tão bela.
    Adorei a metáfora "convento de silêncios". Linda!
    Parabéns, Mira.
    Um beijinho e continuação das melhoras.
    Ailime

    ResponderEliminar
  2. Querida amiga, já estás melhor? E o Luís?
    Eu vou ficar bem! Obrigada pelas palavras de conforto.
    Gostei muito de ler este teu lindo poético post.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Belíssimo poema em total sintonia com a magnífica foto.

    O poema é do teu marido?

    Espero que já estejam bem.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Que delícia de palavras e que foto tranquila.
    Me trouce paz, obrigada.

    Beijos
    Thaís

    ResponderEliminar
  5. Oi amiga, saudades. Fiquei sem internet por muito tempo, mas acho que agora resolveram o problema.
    Espero que já esteja tudo bem, bjs.

    ResponderEliminar
  6. O verão é tudo que almejo..reportou-me a ele,que delicia!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Um refúgio onde o poeta encontra inspiração ...bj

    ResponderEliminar
  8. Um refúgio onde o poeta encontra inspiração ...bj

    ResponderEliminar
  9. Bonito poema.

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  10. Ah...a casa da infância...são recordações, saudades e a poesia linda do Luis descrevendo esse sentimento quando recordamos nossos tempos infantis e de adolescência. Ah...se as paredes falassem o que vivemos na casa da infância!!
    Que o Luis diga nessa linda poesia.

    Bjs

    ResponderEliminar